Salpicos de Leitura

Um salpico é uma gota que salta, que borrifa, que nos pode atingir... ou não.
Um Salpico de Leitura é um momento breve de leitura que, duas vezes por semana, sem dia marcado, mas sempre por volta das duas da tarde, vai atingir quem estiver na nossa Biblioteca.
Se cá estiveres nesse momento, não vais poder escapar e vais ser salpicado por um pequeno texto escolhido com cuidado, com atenção e com carinho, a pensar em ti e nas coisas que tu pensas e noutras em que devias, talvez, pensar.




9 de Novembro de 2010 - Dia Mundial Contra o Racismo
Leitura de Flora Vieira

Viagem pelas diferenças, de Luísa Ducla Soares



Um menino branco parte da sua terra e vai percorrer o mundo. À medida que caminha, encontra outros meninos de cores diferentes, que lhe explicam como é bom ser de outra cor.

Luísa Ducla Soares
O meio galo




3 de Novembro de 2010
Leitura de Flora Vieira

O pote rachado


Dois potes têm a missão de ajudar o seu dono a transportar água. Um deles está rachado e metade da água vai salpicando o caminho monte acima. Curiosamente, o dono dos potes transporte sempre os potes na mesma posição. O pote perfeito vive feliz por transportar toda a água. O pote rachado vive frustrado por derramar parte dela. Agora pensa um pouco: de que lado do caminho é que as flores crescem belas e perfumadas?

Alexandre Rangel
O que podemos aprender com os gansos




28 de Outubro de 2010 - Dia Mundial da Terceira Idade
Leitura de Flora Vieira

Diagnóstico: Solidão

Numa qualquer rua de uma das nossas cidades, uma mulher idosa desmaia. Várias pessoas a rodeiam, umas tentam ajudar, outras apenas querem ver o que se passa. Depois de beber um copo de água, a mulher consegue dizer o que se passa consigo: "Estou sozinha...", desabafa, por fim. Mas nem sabe se alguém a ouviu. Alguém chama o 112 e a mulher vai para o hospital. Será que o médico vai acertar no diagnóstico?

Afonso Praça, in O Jornal, nº 105, Março de 1977



25 de Outubro de 2010 - Dia Nacional das Bibliotecas Escolares
O nosso primeiro Salpico de Leitura
Leitura de Flora Vieira

Salpico

Um texto que retrata a diferença entre a vida do campo e e a vida na cidade, experienciada por um menino cuja alcunha é Salpico. O excerto relata uma manhã atribulada para o pequeno Salpico, que tenta encontrar algum apoio no pai, na mãe, nos irmãos, mas ninguém lhe dá atenção, pois estão ocupados nas suas próprias tarefas matinais.

Salpico, Manuela Alves